AgendaArtes milenaresCulturaRelações diplomáticasTesouros de Lishui querem morar em Portugal

A novidade foi anunciada ontem na inauguração, em Lisboa, da exposição “Uma Faixa, Uma Rota” Três Tesouros de Lishui", uma colecção do Museu de Arte de Escultura em Pedra Ni Dongfang.
12 de Dezembro, 201914710 min

A escultura em pedra de Qingtian, o celadon de Longquan e a espada de Longquan são os três tesouros famosos da cidade de Lishui, Província de Zhejiang, no sudeste da China e podem ser vistos, até ao próximo domingo, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

As obras viajaram pela primeira vez para a Europa e pertencem ao Museu de Arte de Escultura em Pedra Ni Dongfang, que pretende abrir, no início do próximo ano, um museu em Portugal. O objectivo é promover a cooperação bilateral entre os países e ser mais próximo da população ocidental. A novidade foi revelada na quarta-feira, 11 de Dezembro, durante a cerimónia de abertura da Exposição “Uma Faixa, Uma Rota”, Três Tesouros de Lishui, que decorreu no Palácio Nacional da Ajuda, sob a organização e orientação da Embaixada da China em Portugal.

“Museu dos Tesouros de Lishui da China e Centro de Intercâmbio da Cultura Chinesa” é o nome escolhido para o espaço que vai exibir diversas peças das colecções de Zhinjiang, para além de outras da cultura e artes tradicionais chinesas, como forma dos europeus poderem apreciar o “charme único da cultura tradicional chinesa, promovendo o compartilhamento de recursos culturais e artísticos entre os dois países e construir uma ponte de comunicação cultural entre a China e o Ocidente”, disse a organização.

A cidade portuguesa ainda não foi escolhida. Na cerimónia de abertura celebraram-se os 40 anos de Diplomacia Luso-China e os 70 da República Popular da China sob o lema “Amor à China, Novo Capítulo dos Três Tesouros de Lishui”.

A colecção está em Portugal para oferecer uma “visão artística de topo da essência nacional da China, mostrando a história milenar da cultura tradicional chinesa”, disse o Embaixador da China em Portugal, Cai Run, durante o discurso.

Pela primeira vez na Europa, o objectivo  em expor primeiro em Portugal é o de “criar uma plataforma para trocas comerciais entre a China e Portugal e propagar a cultura chinesa aos países e regiões de língua portuguesa, a fim de contribuir para a Era de Ouro Sino-Portuguesa”. 

Jorge Sampaio, Antigo Presidente da República, Ângela Ferreira, Secretária de Estado da Cultura, Catarina Vaz Pinto, Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, Clara Nunes dos Santos, Chefe de Protocolo do Estado, Alberto Laplaine Guimarães, Secretário Geral da Câmara Municipal e Lisboa, Cai Run, Embaixador da China em Portugal, foram alguns dos convidados da sessão, para além dos Embaixadores da China na Coreia, Israel, Espanha e Austrália.

Na exposição, várias peças e técnicas milenares são exibidas,. expostas. O destaque vai para a Pedra de Qingtian, o Celadon de Longquan e a Espada de Longquan – os três tesouros famosos da cidade de Lishui, Província de Zhejiang, sudeste da China.

Para além dessas, outras peças em exibição merecem destaque, nomeadamente, os carimbos com os rostos de alguns Presidentes da República, inseridos na colecção “Família da China, Novo Capítulo de Felicidade”. Ao todo, a colecção alberga 70 carimbos, cerca de 10 estiveram vieram para Portugal.

A maioria dos carimbos foram encomendados em 2010 pelo Governo da República Popular da China para entregar aos diversos Presidentes da República presentes na Cimeira entre a China e a União Europeia, que se realizou em Pequim. Para Portugal, foi oferecido a Cavaco Silva. No ano passado, foi a vez de Marcelo Rebelo de Sousa receber o seu!

Todas as peças exibidas integram a colecção do Museu de Arte de Escultura em Pedra Ni Dongfang, e são constituídas por pedras naturais, cerâmica, aliando a técnica de carving. Tratam-se de peças e técnicas milenares muito típicos da região de Zhejiang. Actualmente, naquela região, apenas um mestre, com 92 anos, é que continua a criar as peças desta arte milenar. Uma situação assustadora que em breve poderá acabar com esta arte”, disse Elisa Hu, membro da organização.

Zheijiang é uma região localizada na costa sudeste da China e é uma das principais províncias chinesas de comércio exterior. Com capital em Hangzhou, é conhecida pelas suas ilhas, mares e monumentos, e vive muito pelo turismo. Em Agosto deste ano, o Vice-Director do Departamento Provincial de Cultura e Turismo de Zheijiang, Xu Peng, esteve em Portugal para promover o intercâmbio cultural e turístico da província. Zheijiang é conhecido pelo seu rico património milenar e pela colecção que integra o Museu de Arte de Escultura em Pedra Ni Dongfang.

As peças do museu vieram para Portugal no final do mês de Novembro e, nos próximos meses, a colecção viaja para outros países europeus, nomeadamente Espanha e Itália. “A ideia é que depois de ser exposta em alguns países, a colecção volte para Portugal, já para o seu novo museu”, disse Elisa Hu. 

A exposição “Uma Faixa, Uma Rota”, Três Tesouros de Lishui está patente até o próximo domingo, 15 de Dezembro, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa. A entrada é gratuita.

Deixa uma Resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Posts Relacionados